A morte é objeto de quase toda a superstição criada no ocidente. O medo da morte é comum e quando eu era criança e falava em morte, minha mãe sempre falava: “Tá repreendido, menino!”.
A verdade é que a gente NÃO TEM IDÉIA de como encarar a morte. Não é de se culpar porque quem sabe como é morrer? Dói? Demora? Eu vou mesmo pro céu?(?)Mateus 16:24 diz: “Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.” Em uma livre porém quase óbvia interpretação, se Jesus nos pede disposição para tomar a cruz, nos pede prontidão para morrer nesta mesma cruz. As tentações e dificuldades de relacionamentos que carregamos todo dia em nossa carne é o que nos faz morrer.Mas uma vez morto, o pecado não tem mais domínio sobre mim:

“Fomos, pois, sepultados com ele [Cristo] na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida. Porque, se fomos unidos com ele na semelhança da sua morte, certamente, o seremos também na semelhança da sua ressurreição, sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos; porquanto quem morreu está justificado do pecado. Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos, sabedores de que, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele.”, Romanos 6:1-9

Tudo bem, esses versículos não falam de morte corporal, falam de morte espiritual, morte comportamental. Mas e se Deus nos chamasse hoje?

O problema com o medo da morte é que deixamos de nos preparar como se hoje fosse o último dia da nossa vida. E o primeiro versículo quer dizer exatamente isso.
Jesus diz em Mateus 24:42: “Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor.”

A música “All My Tears” de Julie Miller, gravada recentemente pela banda Jars of Clay é a abordagem mais madura sobre morte que já vi. Minha tradução livre é assim:

“Quando eu me for, não chore por mim
Nos braços de meu pai eu estarei
As feridas que esse mundo deixou na minha alma
Serão todas curadas, estarão todas saradas
Sol e lua serão substituidas
Pela luz da face de Jesus
E eu não vou me envergonhar
Pois meu salvador sabe meu nome
Não importa onde me enterrarem
Eu estarei em casa e estarei livre
Não importa onde eu descanse
Todas minhas lágrimas serão eliminadas
Ouro e prata cegam os olhos
Tesouros passageiros enganam
Venha e coma do celeiro do céu
Venha e beba e não mais terá sede
Então não chore por mim meu amigo
Quando minha hora aqui embaixo chegar
Pois minha vida pertence a Ele
Que vai ressuscitar os mortos”

Essa música estará em anexo ao meu testamento, quando eu tiver um, se Deus assim permitir.

“Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro.”
Filipenses 1:21

E quem promete nunca mais se assustar e correr como uma galinha quando falarem em morte, levanta a mão!